Buclina – Para que serve? Como funciona? Engorda?

Para que serve o Buclina

Buclina serve para estimular o apetite.

Como funciona o Buclina?

Buclina é um medicamento que possui em sua fórmula uma substância chamada dicloridrato de buclizina.

Esta substância age no organismo promovendo o estímulo do apetite.

Como tomar Buclina

O comprimido de Buclina deve ser ingerido por via oral com água, antes das refeições. As recomendações mais comuns de uso de Buclina são:

Uso adulto

1 comprimido meia hora antes do almoço e 1 comprimido meia hora antes do jantar.

Uso em crianças de 6 a 12 anos

Meio comprimido meia hora antes do almoço e meio comprimido meia hora antes do jantar.

Deve haver acompanhamento médico regular durante o tempo de uso do medicamento nessa faixa etária.

Entretanto, siga a orientação médica, mesmo que seja diferente da dosagem comum.

Cuidados gerais

Não há estudos dos efeitos de Buclina administrado por vias não recomendadas.

Portanto, por segurança e para garantir a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via oral, conforme recomendado pelo médico.

É importante lembrar que o comprimido deverá ser ingerido inteiro, nunca cortado, partido ou mastigado.

Lembre-se, nenhum medicamento deve ser usado sem prescrição e receita de um profissional da saúde qualificado.

O que fazer em caso de esquecimento de uma dose?

Caso esqueça-se de administrar uma dose, administre-a assim que possível.

No entanto, se estiver próximo do horário da dose seguinte, espere por este horário, respeitando sempre o intervalo determinado pela posologia.

Nunca devem ser administradas duas doses ao mesmo tempo.

Veja também: Dramin B6 – Para que serve? Como funciona? Veja a bula!
Veja também: Sintocalmy – Para que serve? Como funciona? Veja a bula!

como tomar buclina bula

Contraindicações de Buclina

Evite o uso caso você tenha sensibilidade ou alergia ao componente constante na fórmula desse medicamento.

No entanto, se o uso for realizado na posologia recomendada, não existem contraindicações específicas.

Alterações na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

Em pacientes especialmente sensíveis, o leve efeito sedativo do dicloridrato de buclizina pode causar sonolência e potencializar a ação de substâncias depressoras do sistema nervoso central, inclusive bebidas alcoólicas.

Nessa eventualidade, o paciente deve evitar dirigir veículos e operar máquinas perigosas.

Não se recomenda a ingestão de bebida alcoólica quando em uso deste medicamento.

Gravidez e amamentação

Tendo em vista a inexistência de dados referentes ao efeito sobre a gestação, o uso de Buclina é contraindicado em mulheres grávidas e lactantes (mulheres amamentando).

Sendo assim, o uso de Buclina durante a gravidez e amamentação é contraindicado.

Informe imediatamente ao médico se houver suspeita de gravidez durante ou após o uso da medicação.

Informe ao médico se estiver amamentando.

Pessoas idosas

Pessoas idosas devem fazer uma avaliação médica para o uso de Buclina ou qualquer outro medicamento.

Devido a maior sensibilidade que possuem, é importante que converse com seu médico para que ele adeque a dosagem, caso necessário.

Este medicamento é contraindicado para crianças com menos de 6 anos de idade.

Efeitos colaterais e reações adversas

A seguir estão listadas as possíveis reações adversas que podem aparecer com o uso de Buclina:

  • Sonolência diurna, geralmente no início do tratamento
  • Tontura
  • Dor de cabeça
  • Vômito
  • Náusea
  • Dispneia (falta de ar)
  • Insônia
  • Diarreia
  • Rush macular (pequenas manchas vermelhas na pele)

Entretanto, informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também a empresa através do seu serviço de atendimento.

Interação com outros medicamentos

Possibilidade de mascarar testes diagnósticos cutâneos com extratos alergênicos (que causam alergia).

Possibilidade de potencialização dos depressores do sistema nervoso central (exemplo: hipnóticos (medicamentos que induzem o sono), anestésicos, álcool, etc.).

Levar em consideração os riscos de adição do efeito atropínico (efeito de inibição, por exemplo, de algumas substâncias do corpo que estão sendo produzidas em excesso).

Em caso de associação com outras substâncias anticolinérgicas tais como:

  • Anti-histamínicos (para alergia)
  • Neurolépticos (tranquilizantes)
  • Antiparkinsonianos (para mal de Parkinson)
  • Anticolinérgicos (substâncias que inibem a produção de uma enzima específica do corpo, chamada acetilcolina)
  • Antiespasmódicos (para cólica)
  • Atropínicos (substâncias que apresentam efeito de inibição, por exemplo, de algumas substâncias do corpo que estão sendo produzidas em excesso)
  • Disopiramida (antiarrítmicos)
  • Antidepressivos tricíclicos

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Superdosagem

A superdose acidental ou voluntária pode teoricamente provocar sinais e sintomas de intoxicação atropínica (quando uma dose de atropina acima da recomendada entra no corpo humano), cuja gravidade depende da dose e das condições do paciente.

A conduta terapêutica na intoxicação por anticolinérgicos (substâncias que inibem a produção de uma enzima específica do corpo, chamada acetilcolina) inclui:

  • Emese (vômito) provocada
  • Lavagem gástrica com solução a 4% de ácido tânico
  • Administração de carvão ativado
  • Eventual uso de fisostigmina [ou neostigmina (para tratar glaucoma)]
  • Benzodiazepinas (medicamentos indicados para uso em pacientes que apresentam: ansiedade, que necessitam ser sedados, que apresentam crises convulsivas ou que precisem de relaxamento dos músculos do corpo)
  • Noradrenalina (substância produzida no corpo humano que apresenta como principal ação o controle da pressão arterial)
  • Respiração assistida (por meio de aparelhos)
  • Hidratação, na dependência dos sintomas.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

como funciona dicloridrato de buclizina engorda

Cuidados, precauções e armazenamento

Mantenha o Buclina em um local afastado da luz do sol e da umidade. Conserve em temperatura ambiente (entre 15º a 30º) para evitar alterações em sua consistência.

Se observar alguma alteração no medicamento, tais como mudança na cor, no cheiro ou na textura, não faça uso de deste medicamento e procure um farmacêutico para verificar sua integridade.

Sempre verifique a data de validade na embalagem do produto, jamais use um medicamento se a data de validade estiver vencida.

Siga sempre as orientações de uso do medicamento, nunca excedendo a quantidade recomendada pelo seu médico.

Mantenha qualquer medicamento longe do alcance de crianças.

Não desaparecendo os sintomas, procure orientação de seu médico ou cirurgião-dentista.

Preço do Buclina

O preço do Buclina varia entre R$ 10,00 a R$ 18,00. A variação costuma estar relacionada com a embalagem do medicamento, a cidade e o local onde este é comercializado.

Dados técnicos e aparência

Comprimido redondo, branco, com sulco transversal em uma das faces.

Embalagem com 30 comprimidos.

Uso adulto e pediátrico acima de 6 anos
Uso oral

Componentes: cada comprimido de Buclina contém 25 mg de dicloridrato de buclizina.

Excipientes: amido de milho, amido pré-gelatinizado, celulose microcristalina, lactose monoidratada, povidona K 30, estearato de magnésio.

Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda

Informações adicionais

Buclina engorda?

É possível encontrar alguns artigos dizendo que Buclina engorda, entretanto, não há nada que comprove que o medicamento em si tenha alguma influência no peso.

No entanto, o tratamento com Buclina costumar envolver também uma mudança de hábitos alimentares, observando como principal mudança o aumento do apetite.

Sendo assim, pode-se notar um aumento no peso relacionado ao aumento do apetite que por sua vez resulta no aumento na quantidade de alimento consumido, e não por conta do consumo deste medicamento.